Archivos Latinoamericanos de Producción Animal. 2022. 30 (4)
Desempenho produtivo do híbrido Patinga (Piaractus mesopotamicus x
Piaractus brachypomus) alimentado com ração de origem vegetal com
diferentes níveis de hidrolisado proteico de pescado
Recibido: 20220315. Aceptado: 20221030
1 Autor para la correspondencia: thiberiocs@hotmail.com
293
Thibério Carvalho da Silva 1
Resumo. O objetivo neste trabalho foi avaliar o desempenho produtivo do híbrido patinga (Piaractus mesopotamicus
x Piaractus brachypomus) alimentado com ração de origem vegetal com diferentes níveis de hidrolisado proteico de
pescado (HPP). O HPP foi produzido com 80 % de resíduos da filetagem da tilápia (cabeças, vísceras, escamas,
barbatanas, coluna vertebral e tecido aderido) e 20 % de sardinha inteira. Foram utilizados 375 animais com peso
médio de 0.4 ± 0.005 gramas. Foram elaboradas cinco dietas com níveis crescentes de HPP: 0, 2, 4, 6 e 8 %. O período
experimental foi de 45 dias. A composição centesimal do HPP foi de 40.74 % de proteína bruta, 54.06 % de lipídeos,
3.23 % de cinzas e 6.429 kcal kg1 de energia bruta (valores com base na matéria seca). Em relação ao desempenho
produtivo, na análise polinomial, o peso final, o ganho de peso, o comprimento final e a taxa de crescimento
específico apresentaram resultados positivos com inclusão de 4 % de do HPP (p < 0.05). Porém, a taxa de eficiência
proteica e sobrevivência não mostrou diferença significativa (p > 0.05). O desempenho produtivo do alevino de
patinga foi melhorado a inclusão de 3.32 % de HPP em rações a base de ingredientes de origem vegetal.
Palavraschave: alimentação, aquicultura, aproveitamento de coprodutos, nutrição.
Productive performance of the hybrid Patinga (Piaractus mesopotamicus x
Piaractus brachypomus) fed plantderived feed with different levels of fish
protein hydrolyzate
Abstract. The objective of this work was to determine the proximate composition of fish protein hydrolyzate (FPH)
and to evaluate the productive performance of fingerlings of the patinga hybrid (Piaractus mesopotamicus × Piaractus
brachypomus) fed with feed based on plantbased ingredients. The FPH was produced with 80 % of tilapia filleting
residues (heads, viscera, scales, fins, vertebral column and adherent tissue) and 20 % of whole sardines. Five diets
were elaborated with increasing levels of 0, 2, 4, 6 and 8 % of FPH. The experimental period was 45 days For
productive performance, 375 animals were used with an average weight of 0.4 ± 0.005 g. The proximate composition
of FPH was 40.74 % crude protein, 54.06 % lipids, 3.23 % ash and 6.429 kcal kg1 of gross energy (values based on
dry matter). Regarding performance, in the polynomial analysis, final weight, weight gain, final length and specific
growth rate showed positive results up to 4 % of HPP inclusion (p < 0.05). However, the protein efficiency rate and
survival did not show significant differences (p > 0.05). The productive performance of fingerlings of patinga was
improved by the inclusion of 3.32 % of HPP in rations based on ingredients of vegetable origin.
Keywords: aquaculture, food, use of coproducts, nutrition.
www.doi.org/10.53588/alpa.300402
Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Unioeste, Brasil.
Wilson Rogério Boscolo
Comportamiento productivo del híbrido Patinga (Piaractus mesopotamicus x
Piaractus brachypomus) alimentado con alimentos de origen vegetal con
diferentes niveles de hidrolizado de proteína de pescado
Resumen. El objetivo de este trabajo fue evaluar el efecto de la inclusión de hidrolizado de proteína de pescado en
el comportamiento productivo de la patinga híbrida (Piaractus mesopotamicus × Piaractus brachypomus) alimentada
con dietas a base de ingredientes vegetales. El HPP se elaboró con un 80 % de residuos del fileteado de tilapia
(cabezas, vísceras, escamas, aletas, columna vertebral y tejido adherente) y un 20 % de sardina entera. Se elaboraron
cinco dietas con niveles crecientes de 0, 2, 4, 6 y 8 % de HPP. El periodo experimental fue de 45 días. Para el
294
Com o desenvolvimento do setor aquícola, a
produção de resíduos e a busca por nutrientes para a
alimentação animal aumentam proporcionalmente. A
farinha de peixe é um dos ingredientes mais utilizados
na aquicultura pois é fonte de proteína, energia
digestível, minerais e vitaminas (Pezzato et al., 2002).
Contudo, a oferta e disponibilidade desse produto no
mercado é variavel. Em decorrência disso, o preço
limita o uso da farinha de peixe, e a demanda elevada
pressiona o mercado para encontrar soluções mais
econômicas (FAO, 2020; Hardy, 2010). Diversos
estudos estão sendo realizados para encontrar
substitutos totais ou parciais da farinha de peixe, um
concentrado proteico muito usado na elaboração de
dietas para organismos aquáticos. Um produto com
grande potencial para a substituição da farinha de
peixe, nesse contexto, é o uso do hidrolisado proteico
de peixe (HPP). Este produto é o resultado da clivagem
das proteínas, catalisado por ação enzimática ácida ou
alcalina, em unidades peptídicas de vários tamanhos e
aminoácidos livres (Kristinsson, 2006; Pasupuleti et al.,
2010). O processo enzimático permite obter produtos
com alta funcionalidade e alto valor nutritivo (Furlan e
Oetterer, 2002). A modificação da estrutura da proteína
é empregada para adequar as propriedades funcionais
do alimento, tais como especificidade, digestibilidade e
variedade de grupos funcionais (Furlan e Oetterer,
2002; Zavareza et al., 2009).
Esse ingrediente mostra alto teor de proteína (Foh et
al., 2011; MazorraManzano et al., 2012; Chalamaiah et
al., 2013) com 98 % de digestibilidade (Silva et al., 2017).
Assim o HPP é recomendado na alimentação de peixes
cultivados nas fases iniciais de vida, que possuem um
trato digestório pouco desenvolvido morfologicamente
e a atividade enzimática é incipiente (Kristinsson,
2006). Além de fonte proteica, os HPP na aquicultura
potencializam a palatabilidade (Alves et al., 2019). Nos
rios, lagoas e tanques de aquacultura das diversas
regiões brasileiras uma rica diversidade de peixes
nativos, e outros utilizados para a produção contínua e
escalonada, como tambaqui (Colossoma macropomum) e
pacu (Piaractus mesopotamicus). Nesse contexo entra
também o cultivo de peixes híbridos (Jerônimo et al.,
2015), tais como o patinga, resultante do cruzamento
entre uma fêmea de pacu e um macho de pirapitinga
(Piaractus brachypomus). O patinga, quando comparado
às espécies parenterais, apresenta crescimento rápido,
rusticidade, tolerância às variações de temperatura e
baixos níveis de oxigênio, (Hashimoto et al., 2012). No
ano 2019 sua produção conjunta com o pacu foi de
11.542 toneladas (IBGE, 2019). Outra característica
favorável do híbrido patinga é o hábito alimentar
onívoro, que possibilita o uso de elevadas
porcentagens de ingredientes vegetais nas dietas,
obtendo aproveitamento otimizados de aminoácidos e
carboidratos, devido à morfologia e fisiologia do seu
sistema digestivo (Baldisserotto et al., 2014). São
necessários mais estudos nutricionais para espécies
nativas de peixes na busca alimentos alternativos,
visando diminuir o custo de produção e garantir o
melhor desempenho dos animais. Desta forma, o
presente trabalho foi realizado com o objetivo de
avaliar o desempenho produtivo do híbrido patinga
(Piaractus mesopotamicus x Piaractus brachypomus)
alimentado com ingredientes de origem vegetal e
diferentes níveis de hidrolisado proteico de pescado
(HPP).
Introdução
Da Silva y Boscolo
O experimento foi conduzido no Laboratório de
Aquicultura e Nutrição de Peixes do Grupo de Estudos
de Manejo na Aquicultura (GEMAq), da Universidade
Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Toledo.
Animais e tratamentos
Um total de 375 alevinos de patinga, obtidos no
biotério de criação no município de ToledoPR, foi
distribuído aleatoriamente em 25 tanques de vidro (15
animais cada) com volume útil de 30 litros, em
comportamiento productivo se utilizaron 375 animales con un peso promedio de 0.4 ± 0.005 g. La composición
próxima de HPP fue 40.74 % proteína bruta, 54.06 % lípidos, 3.23 % cenizas y 6.429 kcal kg1 de energía bruta
(valores en base a materia seca). En cuanto al rendimiento, en el análisis polinomial, el peso final, la ganancia de
peso, la longitud final y la tasa de crecimiento específico mostraron resultados positivos hasta el 4 % de inclusión de
HPP (p < 0.05). Sin embargo, la tasa de eficiencia proteica y la supervivencia no mostraron diferencias significativas
(p > 0.05). Se mejoró el comportamiento productivo de alevines de patinga con la inclusión de 3.32 % de HPP en
raciones a base de ingredientes de origen vegetal.
Palabras clave: acuicultura, alimentación, aprovechamiento de coproductos, nutrición.
Material e Métodos
ISSNL 10221301. Archivos Latinoamericanos de Producción Animal. 2022. 30 (4): 293  300
295
Hidrolisado de proteína de peixe na ração de patinga
delineamento inteiramente casualizado, com cinco
tratamentos e cinco repetições. Os tratamentos foram
constituídos de cinco dietas a base de ingredientes de
origem vegetal, com cinco níveis de inclusão de HPP
(0; 6 e 8 %) na forma líquida. Os peixes foram
alimentados quatro vezes ao dia (às 8, 11, 14 e 17
horas), até a saciedade aparente, pelo período
experimental de 45 dias. As dietas experimentais foram
formuladas de acordo com a recomendação do NRC
(2011), de forma que as dietas foram isoprotéicas e
isoenergéticas (Tabela 1). As determinações de
proteína, energia e gordura foram realizadas de acordo
com AOAC (2012). Os tanques foram equipados
individualmente de filtro, termostato de 50 w e
equipamento de aeração constante (soprador de ar
central), de forma que duas sifonagens foram
realizadas ao dia (9 h e 18 h). A temperatura média da
água, pH e oxigênio dissolvido foram de 27.23 ± 0.54
°C, 7.2 ± 0.01 e 6.4 ± 0.32 mg L1, respectivamente, e
permaneceram entre valores considerados adequados
(Urbinati e Gonçalves, 2007) ao longo do tempo.
Tratamento de hidrolise dos subprodutos de pescado
Em geral, a produção do HPP é constituído de 80 %
de resíduo da filetagem de tilápiadonilo (cabeças,
vísceras, escamas, barbatanas, coluna vertebral e tecido
aderido) e 20 % de sardinha inteira, incluida no
produto para intensificar aroma e sabor de pescado no
HPP e aumentar a aceitação do produto final pelos
peixes (Broggi et al., 2017). No presente trabalho, a
matéria prima foi triturada num processador de
alimentos da marca CAF, modelo Boca 5, com potência
de 250 watts e capacidade de 30 kg h1. Em seguida, o
volume de água igual a 20 % do valor da massa foi
adicionado e homogeneizado por aproximadamente 5
min num agitador mecânico modelo RW 20 (Ika Brasil
Equipamentos Laboratoriais, Analiticos e Processos
Ltda, CampinasSP, Brasil). Logo depois,
hidroxitolueno butilado (BHT) e hidroxianisol butilado
(BHA) foram adicionados numa percentagem de 0.01.
A temperatura da água, em banhomaria, foi ajustada
para 60 °C, considerada adequada para ótima
atividade enzimática. A enzima alcalase (0.5 %) foi
adicionada e a massa foi agitada continuamente,
durante 60 min. Após esse período, a atividade
enzimática foi interrompida, pelo aumento da
temperatura para 85 °C, por 15 min. Ao final do
processo, o hidrolisado líquido foi filtrado em peneira
de aço (0.5 mm), para a separação de pequenos ossos.
A análise centesimal do HPP (proteína bruta, extrato
etereo, cinzas e energia bruta) foi realizada de acordo
com AOAC (2012).
Os ingredientes, para a produção das dietas, foram
incialmente triturados num moinho do tipo martelo,
com peneira de 0.3 mm. Em seguida, os ingredientes
foram pesados e misturados manualmente e extrusada
numa extrusora (ExMicro®) com 1,0 mm de diâmetro.
Após, as dietas foram secas em estufa de ventilação
forçada, a 55 °C, por 12 horas.
Determinações realizadas nos animais
Ao final do período experimental, os peixes foram
mantidos em jejum por 24 horas e, após este período,
foram efetuadas as determinações individuais de peso
(g) e comprimento total (mm). Os cálculos de
desempenho produtivo foram:
 Ganho de peso: Pf (peso final); Pi (peso inicial).
GP = PfPi
Taxa de sobrevivência: Nf (número de peixes final);
Ni (número de peixe inicial).
TS %=Nf
*100
Ni
Taxa de crescimento específico: lnPf (log natural do
peso final); lnPi (lognatural do peso inicial); Nd
(número de dias do experimento).
Taxa de eficiência proteica: GP (ganho em peso);
quantidade de proteína consumida (PC).
Análise estatística
Os dados foram submetidos primeiramente à análise
de variância (ANOVA) a 5 % de probabilidade, em
caso de diferenças significativas prosseguiu para à
análise de regressão polinomial a 5 % de
probabilidade. Em caso de efeito quadrático, o melhor
nível de inclusão foi determinado pelo ponto de
máxima da equação, igualandose a derivada da
função a zero (0 = 20x+b). Os dados foram calculados
utilizando o programa estatístico da Statistical
Analysis System [SAS] version 9.3 (2011).
ISSNL 10221301. Archivos Latinoamericanos de Producción Animal. 2022. 30 (4): 293  300
296
Tabela 1. Composição percentual das dietas experimentais a base de ingredientes vegetais suplementadas com hidrolisados
proteicos de pescado (HPP) para alevinos de patinga (Piaractus mesopotamicus x Piaractus brachypomus).
1Níveis de garantia por quilograma do produto: vit. A 500000 UI; vit. D3 200000 UI; vit. E 5000 m
vit. K3 1000 mg; vit. B1 1500 mg; vit. B2 1500 mg; vit. B6 1500 mg; vit. B12 4000 mg; ácido fólico
500 mg; pantotenato de cálcio  4000 mg; vit. C  15000 mg; biotina  50 mg; inositol  10000; nicotinamida 
7000; colina 40000 mg; cobalto 10 mg; cobre 500 mg; ferro 5000 mg; iodo 50 mmanganês 1500
mg; selênio  10 mg; zinco  5000 mg.
O hidrolisado proteico de pescado apresentou na sua
composição centesimal 40.74 % de proteína bruta, 54.06
% de lipídeos, 3.23 % de cinzas e 6.429 kcal kg1 de
energia bruta (valores com base na matéria seca). Os
valores médios das características de desempenho
produtivo obtidos ao final do experimento para o
ganho de peso, a taxa de crescimento específico, a taxa
de eficiência proteica e a sobrevivência estão
apresentados na Tabela 2.
Resultados
Ingredientes Níveis de inclusão de HPP (%)
0 2 4 6 8
Farelo de soja 39.37 39.35 39.33 39.31 39.29
Glúten de milho 25.10 23.82 22.55 21.28 20.00
Milho grão 12.58 12.89 13.2 13.51 13.74
HPP 00.00 02.00 04.00 06.00 08.00
Quirera de arroz 05.00 05.00 05.00 05.00 05.00
Glúten de trigo 05.00 05.00 05.00 05.00 05.00
Fosfato bicálcico 03.85 03.84 03.82 03.81 03.80
Isolado proteico de soja 03.00 03.00 03.00 03.00 03.00
Suplemento (mineral + vitamínico)1 01.00 01.00 01.00 01.00 01.00
LTreonina 00.23 00.22 00.22 00.21 00.21
Antifúngico 00.20 00.20 00.20 00.20 00.20
Óleo de soja 04.07 03.09 02.11 01.13 00.15
Inerte (cloreto de colina) 00.10 00.10 00.10 00.10 00.10
Vitamina C 00.10 00.10 00.10 00.10 00.10
Ltriptofano 00.06 00.06 00.05 00.05 00.05
DLmetionina 00.01 00.01 00.02 00.02 00.03
Antioxidante 00.02 00.02 00.02 00.02 00.02
Composição 0 2 4 6 8
Energia (kcal kg1) 3.500 3.500 3.500 3.500 3.500
Gordura (%) 06.21 06.20 06.19 06.19 06.18
Proteína (%) 41.30 41.30 41.30 41.30 41.30
Tabela 2. Medias e desvio padrão (±) para as características produtivas de peixes híbrido patinga (Piaractus mesopotamicus x
Piaractus brachypomus) alimentados com dietas contendo diferentes níveis (0, 2, 4, 6 e 8 %) de hidrolisado proteico de pescado
(HPP), analisadas através de regressão polinomial a 5 % de probabilidade.
Características produtivas Níveis de inclusão de HPP (%) Valor p
0 2 4 6 8
1Ganho em peso (g) 1.64 ± 0.43a 1.73 ± 0.24ab 2.38 ± 0.14c 1.60 ± 0.14ab 1.34 ± 0.41d0.001
2Taxa de crescimento específico (%) 1.39 ± 0.25a 1.41 ± 0.31ab 2.76 ± 0.51c 1.50 ± 0.64ab 1.40 ± 1.47abd 0.013
3Taxa de eficiência proteica (%) 0.7 1± 0.12a 0.73 ± 0.08a 0.97 ± 0.09a 0.67 ± 0.05a 0.58 ± 0.14a0.091
4Sobrevivência (%) 55.56 ± 8.33a 50.00 ± 10.00a 48.89 ± 14.81a 60.00 ± 20.00a60.00±16.66a0.932
1Efeito quadrático: y = 0.0014x2 + 0.0093x + 0.0692, R²=0.61;
2Efeito quadrático: y = 0.0534x2 + 0.427x + 1.2929, R² = 0.51;
3,4Nao houve efeito. Letras iguais na mesma linha não diferiram entre si (ANOVA, p > 0.05).
O ganho de peso e a taxa de crescimento específico
apresentaram efeito quadrático (p < 0.05), e a derivada
da equação indicou que o nível mais adequado da
inclusão de HPP foi 3.32 % e 4 %, respectivamente
(Figura 1). Contudo, a taxa de eficiência proteica e
sobrevivência não apresentaram diferenças
significativas (p > 0.05) entre os tratamentos, embora
os melhores resultados observados fossem obtidos no
tratamento com 4 % de inclusão do HPP, exceto para
sobrevivência cujos efeitos mais expressivos foram nas
inclusões 6 e 8 %.
Da Silva y Boscolo
ISSNL 10221301. Archivos Latinoamericanos de Producción Animal. 2022. 30 (4): 293  300
297
Figura 1. Nível de inclusão do hidrolisado proteico de pescado em dietas a base de ingredientes vegetais para alevinos do híbrido patinga
(Piaractus mesopotamicus x Piaractus brachypomus) relacionado com ganho de peso (A) e taxa de crescimento específico (B).
Discussão
A inclusão de 3.32 % e 4 % de HPP na ração de base
vegetal, otimizou o crescimento e o ganho de peso,
respectivamente de alevinos do híbrido patinga.
MacedoViegas et al. (2004) analisaram o crescimento e
sobrevivência de larvas de pacu, alimentados com
diferentes fontes de proteína animal, dentre estas, o
hidrolisado proteico de peixe, o qual se mostrou o mais
promissor para ser utilizado como ingrediente na dieta
de larvas de pacu. Silva et al. (2017), em pesquisa
realizada para avaliar o desempenho produtivo de
póslarvas de tilápia, concluiu que o HPP pode ser
usado eficientemente em dietas para esta espécie com a
inclusão de 4.75 %, visto que se observou o crescimento
de fibras musculares caracterizado por hiperplasia, em
quantidades superiores. As principais causas dos
efeitos positivos do HPP sobre a características
produtivas de crescimento em peixes são a melhora da
palatabilidade e alta digestibilidade da proteína o que
estimula enzimas digestivas, canalizando nutrientes
para produção de biomassa (Aguila et al., 2007; Zheng
et al., 2012). Para peixes de água doce, assim como
espécies marinhas, os melhores resultados foram
obtidos usando um nível moderado de hidrolisado
(Cahu et al., 1999; Refstie et al., 2004; Kotzamanis et al.,
2007). Já, a inclusão acima de 50 % pode ocasionar a
diminuição no consumo da ração causado por
mudança na palatabilidade do HPP, criado por
peptídeos de sabor amargo ou compostos lipídicos
rançosos, reduzindo crescimento do animal (Hevroy et
al., 2005; TAO et al., 2010).
A composição centesimal do HPP analisada no
presente estudo é semelhante a outros hidrolisados
citados na literatura e produzidos a partir de
coprodutos de pescado, tais como tilápia (Abdul
Hamid et al., 2002), corvina (Martins et al., 2009),
camarão (Randriamahatody et al., 2011) e atum
(Chotikachinda et al., 2013). As altas quantidades de
lipídeos podem estar relacionadas com a origem da
matéria prima usada no processo de hidrólise, onde
foram aproveitados resíduos do processamento da
tilápia e sardinha inteira com vísceras, e
consequentemente ter influenciado o teor de proteína.
Martins et al. (2009), corrobora que os valores baixos de
proteínas estão relacionados com a alta quantidade de
lipídeos. O teor de cinzas foi relatado por muitos
estudos e variam entre 0.45 % a 27 % da composição
total (Nilsang et al., 2005; Bhaskar et al., 2008;
Ovissipour et al., 2012). O conteúdo relativamente alto
de cinzas nos hidrolisados proteicos de pescado é
devido ao uso de ácido ou de base adicionados ao meio
para o ajuste do PH final pretendido (PachecoAguilar
et al., 2008; Choi et al., 2009). Desta forma, tanto a
origem da matéria prima quanto o método de hidrolise
podem influenciar na composição química do
hidrolisado proteico. Com relação ao desempenho
produtivo, pesquisas anteriores demonstraram que
dietas suplementadas com hidrolisado proteico de
pescado podem melhorar o desempenho zootécnico de
diversas espécies de peixes nas fases iniciais de vida
(Aksnes et al., 2006; Tang et al., 2008; Chotikachinda et
al., 2013).
Hidrolisado de proteína de peixe na ração de patinga
ISSNL 10221301. Archivos Latinoamericanos de Producción Animal. 2022. 30 (4): 293  300
298
Conclusão
Conflito de interesses: não há conflito de interesse que impeça sua publicação
Alves, D. R. S., Silva, T. C., Rocha, J. D. M., Oliveira, S.
R., Senor, A, and Boscolo, W. R. 2019. Compelling
palatability of protein hydrolysates for Nile tilapia
juveniles. Latin American Journal of Aquatic
Research, 47:371376. 10.3856/vol47issue2fulltext
19
Food and Agriculture Organization of the United
Nations (FAO). 2020. The State of World Fisheries and
Aquaculture. Sustainability in action. Rome. ISBN: 978
9251326923
A suplementação com HPP em dietas a base de
ingredientes vegetais melhorou as características de
crescimento e ganho de peso em alevinos do híbrido de
patinga à nível de 3.32 % de inclusão. Contudo, torna
se necessária a realização de novas pesquisas que
almejem a quantificação de peptídeos e identificação
de aminoácidos produzidos durante o processo de
hidrolise, bem como avaliação dos efeitos
imunológicos e histológicos muscular e do intestino
para a espécie estudada.
Aprovação do Comité de Experimentação Animal: o estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética no Uso de Animais
da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, campus ToledoPR.
Contribuições dos Autores: todos os autores contribuíram igualmente para a concepção e redação do manuscrito.
Todos os autores revisaram criticamente o manuscrito e aprovaram a versão final.
Financiamento: não houve.
Editado por Aline Freitas de Melo and Omar E. AraujoFebres.
Literatura Citada
AbdulHamid, A., J. Bakar, and G. H. Bee. 2002.
Nutritional quality of spray dried protein
hydrolysate from Black Tilapia (Oreochromis
mossambicus). Food Chemistry, 78:6974.
https://doi.org/10.1016/S03088146(01)003806.
Aguila, J. R., J. Suszko, A. G. Gibbs, and D. K.
Hoshizaki. 2007. The role of larval fat cells in adult
Drosophila melanogaster. Journal of Experimental
Biology. 210:956963.
https://doi.org/10.1242/jeb.001586. PMID: 17337708.
Aksnes, A., B. Hope, E. Jönsson, B. T. Björnsson, and S.
Albrektsen. 2006. Sizefractionated fish hydrolysate
as feed ingredient for rainbow trout (Oncorhynchus
mykiss) fed with high plant protein diets. I: Growth,
growth regulation and feed utilization.
Aquaculture, 261:305317, 2006.
https://doi.org/10.1016/j.aquaculture.2006.07.025.
Association of Official Analytical Chemistry (AOAC).
2012. Official methods of analysis of the AOAC.
19.ed. Gaithersburg, M.D, USA. IBSN: 0935584838.
Baldisserotto, B., J. E. P. Cyrino, e E. C. Urbinati. 2014.
Biologia e fisiologia de peixes neotropicais de água
doce. Jaboticabal: FUNEP. ISBN: 9788578051358.
Bhaskar, N., T. Benila, C, Radha, and R. G. Lalitha.
2008. Optimization of enzymatic hydrolysis of
visceral waste proteins of catla (Catlacatla) for
preparing protein hydrolysate using a commercial
protease. Bioresource Technology, 99:335–343.
https://doi.org/10.1016/j.biortech.2006.12.015.
Broggi, J. A., B. Wosniak, J. Uczay, M. L. Pessatti, and
T. E. Fabregat. 2017. Hidrolisado proteico de resíduo
de sardinha como atrativo alimentar para juvenis de
jundiá. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e
Zootecnia, 69:505512.
https://doi.org/10.1590/167841628348
Chalamaiah, M., K. Balaswamy, G. Narsingrao, P. G.
PrabhakaraRao, and T. Jyothirmayi. 2013. Chemical
composition and functional properties of mrigal
(Cirrhinus mrigala) egg protein concentrates and
their application in pasta. Journal of Food Science
and Technology, 50:512520.
https://doi.org/10.1007/s13197.
Choi, Y. J., S. Hur, B. D. Choi, K. Konno, and J. W. Park.
2009. Enzymatic hydrolysis of recovered protein
from frozen small croaker and functional properties
of its hydrolysates. Journal of Food Science, 74:17
24.
https://doi.org/10.1111/j.17503841.2008.00988.x.
Chotikachinda, R., C. Tantikitti, S. Benjakul, T. Rustad,
and E. Kumarnsit. 2013. Production of protein
hydrolysates from skipjack tuna (Katsuwonus
pelamis) viscera as feeding attractants for Asian
seabass (Lates calcarifer). Aquaculture Nutrition,
19:773784.
https://doi.org/10.1111/anu.12024.
Foh, M. B. K., I. Kamara, B. M. Amadou, and X.
Wenshui. 2011. Chemical and physicochemical
properties of tilapia (Oreochromis niloticus) fish protein
hydrolysate and concentrate. International Journal of
Biological Chemistry, 5:2136.
https://doi.org/10.3923/ijbc.2011.21.36.
Da Silva y Boscolo
ISSNL 10221301. Archivos Latinoamericanos de Producción Animal. 2022. 30 (4): 293  300
299
National Research Council (NRC). 2011. Nutrient
requirements of fish and shrimp. The national
academies press: Washington. IBSN: 0309163382.
Tang, H., T. Wu, Z. Zhao, and X. Pan. 2008. Effects of
fish protein hydrolysate on growthjperformance and
humoral immune response in large yellow croaker
(Pseudosciaena crocea R.). Journal of Zhejiang University,
9:684690.
https://doi.org/10.1631/jzus.B0820088.
Hardy, R. W. 2010. Utilization of plant proteins in fish
diets: effects of global demand and supplies of
fishmeal. Aquaculture Research, 41:770776.
https://doi.org/10.1111/j.13652109.2009.02349.x.
Hashimoto, D. T., J. A. Senhorini, F. Foresti, and F.
PortoForesti. 2012. Interspecific fish hybrids in Brazil:
management of genetic resources for sustainable use.
Reviews in Aquaculture, 4: 108118, 2012.
https://doi.org/10.1111/j.17535131.2012.01067.x
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
2019. Produção da Pecria Municipal. IBGE. 45, 112.
Jerônimo, G. T., L. Franceschini, A. C. Zago, R. J. Silva,
S. B. dua, A. S. Ventura, M. M. Ishikawa, M.
TavaresDias, e M. L. Martins. 2015. Parasitos de peixes
characiformes e seus híbridos cultivados no Brasil. In:
TavaresDias, M., e Mariano, WS. Aquicultura no
Brasil: novas perspectivas (p. 429). o Carlos: Pedro &
João Editores. ISBN. 9788579932724.
Kristinsson, H. G. 2006. The Production, properties,
and utilization of fish protein hydrolysates. In: Shetty,
K., Paliyath, G., Pometto, A., and Levin, R. E. Food
Biotechnology (p.11111133). New York: Taylor &
Francis Group. IBSN: 0824753291.
MacedoViegas, E., M. C. Portella, and D. J. Carneiro.
2004. Utilization of Fish Protein Hydrolysate in
Prepared Diets for Pacu (Piaractus mesopotamicus),
Larvae. Journal of Applied Aquaculture, 14:101112.
https://doi.org/10.1300/J028v14n03_08.
Martins, V., C. Guimarães, J. A. Vieira, e C. P.
Hernandez. 2009. Hidrolisado protéico de pescado
obtido por vias química e enzimática a partir de
corvina (Micropogonias furnieri). Química Nova, 32:61
66.
https://doi.org/10.1590/S010040422009000100012.
MazorraManzano, M. A., R. PachecoAguilar, J. C.
RamirezSuarez, G. GarciaSanchez, e M. E. Lugo
Sanchez. 2012. Endogenous proteases in Pacific
Whiting (Merluccius productus) muscle as a processing
aid in functional fish protein hydrolysate production.
Food and Bioprocess Technology, 5, 130137.
https://doi.org/10.1007/s1194701003749.
Nilsang, S., S. Lertsiri, M. Suphantharia, and A.
Assavanig. 2005. Optimization of enzymatic hydrolysis
of fish soluble concentrate by commercial proteases.
Journal of Food Engineering 70(4), 5715780.
https://doi.org/10.1016/j.jfoodeng.2004.10.011.
Ovissipour, M., A. AbedianKenari, A.
Motamedzadegan, and R. M. Nazari. 2010. Chemical
and biochemical hydrolysis of persian sturgeon
PachecoAguilar, R., M. A. MazorraManzano, and J. C.
RamirezSuarez. 2008. Functional properties of fish
protein hydrolysates from Pacific whiting (Merluccius
productus) muscle produced by a commercial protease.
Food Chemistry 109:782789.
https://doi.org/10.1016/j.foodchem.2008.01.047.
Pasupuleti, V. K., C. Holmes, and A. L. Demain. 2010.
Applications of protein hydrolysates in biotechnology.
In: Pasupuleti, V. K., and DEMAIN, A. L. Protein
Hydrolysates in Biotechnology (p.110). New York:
Springer. IBSN: 1402066732.
Pezzato, L. E., E. C. Miranda, M. M. Barros, L. G. Pinto,
W. M. Furuya, e A. Pezzato. 2002. Digestibilidade
aparente de ingredientes para a tilápia do Nilo
(Oreochromis niloticus). Revista Brasileira de Zootecnia,
31:15951604.
https://doi.org/10.1590/S151635982002000700001.
Randriamahatody, Z., K. S. B. Sylla, H. T. M. Nguyen,
C. DonnayMoreno, L. Razanamparany, N.
Bourgougnon, and J, P. Bergé. 2011. Proteolysis of
shrimp byproducts (Peaneus monodon) from
Madagascar CyTA. Journal of Food November 9:220
228. https://doi.org/10.1080/19476337.2010.518250.
Refstie, S., J. J. Olli, and H. Standal. 2004. Feed intake,
growth, and protein utilization by postsmolt Atlantic
salmon (Salmo salar) in response to graded levels of fish
protein hydrolysate in the diet. Aquaculture 239(14),
331–349.
https://doi.org/10.1016/j.aquaculture.2004.06.015.
Silva, T.C., J. D Rocha, P. Moreira, A. Signor, and W. R.
Boscolo. 2017. Fish protein hydrolysate in diets for Nile
tilapia postlarvae. Pesquisa Agropecria Brasileira,
52:485492.
https://doi.org/10.1590/S0100204X2017000700002
Statistical Analysis Systems [SAS]. 2011. SAS/STAT
User’s guide, Version 9.3. Cary, NC: SAS Institute Inc.
Tao, R., X. Huang, J. Wang, H. Zhang, Y. Zhang, and
M. Li. 2010. Proposed diagnostic criteria for internet
addiction. Addiction, 105:55664.
https://doi.org/10.1111/j.13600443.2009.02828.x.
PMID: 20403001.
(Acipenser persicus) visceral protein. Food and
Bioprocess Technology, 5:460465.
https://doi.org/10.1007/s119470090284x.
Hidrolisado de proteína de peixe na ração de patinga
ISSNL 10221301. Archivos Latinoamericanos de Producción Animal. 2022. 30 (4): 293  300
300
ISSNL 10221301. Archivos Latinoamericanos de Producción Animal. 2022. 30 (4): 293  300
Urbinati, E. C., e F. D. Gonçalves. 2005. Pacu (Piaractus
mesopotamicus). In: Baldisseroto, B., Gomes, L. C. (Ed.).
Espécies nativas para piscicultura no Brasil (p.225 256).
Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria.
IBSN: 9788573911350
Zavareze, E. R., C. M. Silva, M. S. Mellado, e C.
PrenticeHernández. 2009. Funcionalidade de
hidrolisados proteicos de cabrinha (Prionotus punctatus)
obtidos a partir de diferentes proteases microbianas.
Química Nova, 32:17391743.
https://doi.org/10.1590/S010040422009000700011.
Zheng, K., M. Liang, H. Yao, J. Wang, and Q. Chang.
2013. Effect of size fractionated fish protein
hydrolysate on growth and feed utilization of turbot
(Scophthalmus maximus L.). Aquaculture Reserch, 44:895
902. https://doi.org/10.1111/j.13652109.2012.03094.x.
Da Silva y Boscolo